Portuguese English French German Spanish
logo

Segunda, 01 Setembro 2014

Segurança Patrimonial ou Empresarial?

Segurança Patrimonial ou Empresarial?

A atividade de segurança empresarial é composta de várias vertentes, sendo uma delas a segurança patrimonial. Quando falamos de patrimônio de uma empresa devemos ter uma visão macro, pois não é apenas: máquinas, peças, produtos acabados, veículos etc. As pessoas, as informações e a IMAGEM também fazem parte deste patrimônio.

Diante desta diversidade, não é prudente falarmos que atuamos na segurança patrimonial, pois como vimos, segurança privada é algo mais amplo e complexo. Devemos sempre usar os termos empresarial ou corporativo.

A atividade de segurança privada abarca a organização como um todo. Ela tem a possibilidade de ajudar os diversos setores nas suas atividades diárias com ações do tipo: controle de acesso, segurança das informações, investigações, análise de risco, dentre outras. É um setor sensível e estratégico. Por este motivo deveria estar ligado diretamente à alta administração de qualquer empresa.

O gestor de segurança deve ter um conhecimento multidisciplinar e estar acompanhando sistematicamente a evolução tecnológica, pois o sistema de segurança é dinâmico e deve estar sempre conectado às necessidades da organização. O gestor não tem como responsabilidade apenas o patrimônio tangível, pois, sem dúvida, uma das suas principais atribuições é a preservação da imagem da empresa. Para alcançar sucesso nesta missão é fundamental que exista na empresa não apenas o plano preventivo (prevenção de perdas), mas sim o plano contingencial, pois em momentos emergenciais ou de crise, a empresa precisa estar preparada, caso contrário, a sua imagem e a própria existência poderão estar comprometidas.

A segurança empresarial tem evoluído muito nos últimos anos e acompanhando esta evolução veio o aumento da complexidade da atividade. O gestor de segurança hoje tem que trazer resultado para a empresa. A prevenção de perdas é uma necessidade básica de sucesso empresarial. E ela inicia-se com uma análise de risco, passando por um plano integrado de segurança que precisa ser constantemente atualizado, controlado e avaliado, alem de ser muito bem vendido internamente, pois caso contrário existirá um nível alto de resistência.

Independentemente da atividade produtiva da empresa a segurança é algo fundamental. As margens de lucro estão cada vez menores exigindo das organizações estruturas enxutas e uma grande preocupação com a prevenção de perdas. O preço dos seus produtos e/ou serviços estão ligados diretamente ao mercado, logo a sua margem de lucro será tanto maior quanto menores forem as perdas. Para o gestor perceber as causas das perdas ele precisa conhecer os processos da empresa. Fica evidente que o gestor de segurança de hoje tem que perceber a empresa nas visões macro e micro.

Diante deste cenário complexo de gestão fica fácil perceber que o gestor não faz parte da segurança patrimonial, mas sim algo muito mais complexo e dinâmico.

* Nino Ricardo Meireles é consultor de Segurança Empresarial, palestrante especializado em Segurança e professor universitário.


Site: www.nrm.pro.br